Posts

foto: Kadu Pinheiro | Jamaica Experience

Jamaica para todos os gostos: escolha a melhor opção

Se você segue nosso site, o www.jamaicaexperience.com.br, sabe que turismo é uma de nossas áreas de interesse, assim como música, gastronomia e lifestyle. Afinal, um projeto que tem por objetivo fomentar o intercâmbio cultural entre o Brasil e a Jamaica, passa obrigatoriamente pelo turismo, por conhecer e explorar tudo que a ilha tem de mais bonito e interessante.

Através dos textos que temos publicado, você pôde ter contato com um pouco da história, da cultura, das personalidades e peculiaridades da Jamaica. Continuaremos com esse trabalho, mas, além disso, a partir de agora, será possível, também, escolher e comprar seu pacote de viagem para a Jamaica, através do site. Para isso, fechamos uma parceria com a ADVtour, uma empresa especializada em Caribe, que passará a oferecer cinco diferentes pacotes turísticos, de acordo com seu perfil e objetivos.

A ADVtour é uma operadora brasileira que atua há mais de 15 anos no mercado de turismo, com roteiros de viagens internacionais personalizados. Além de ser especialista em Caribe, a empresa também conta com parceiros em companhias aéreas, cruzeiros, hotéis, resorts e pousadas de luxo na América do Sul, América do Norte, América Central, Europa e Oriente Médio. Com sede na cidade de São Paulo, a ADVtour possui agências de viagens representantes em Brasília, Porto Alegre e Vitória, e também áreas comerciais para atender no Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Ribeirão Preto e região.

Os cinco pacotes turísticos que elaboramos em conjunto com a ADVtour visam atender pessoas que estão em momentos de vida distintos e que, portanto, têm diferentes expectativas com relação a uma viagem à Jamaica. São eles:

 

foto: Laerte Brasil | Jamaica Experience

1. Take me to Jamaica: começando pela capital, Kingston, esta é a opção para quem quer conhecer belas praias, rios e cachoeiras, além de saber mais sobre Bob Marley. O pacote inclui visitas ao Bob Marley Museum, em Kingston, e ao Bob Marley Mausoleum, em Nine Miles, local onde ele nasceu e está enterrado.

 

foto: reprodução internet

2. Jamaican Music Vibes: se o seu maior interesse na Jamaica é a música, este é o pacote ideal para você. Visitar alguns estúdios, como o lendário Tuff Gong, pertencente à família Marley, dançar ao som do Dub, em algum dos muitos e potentes Sound Systems espalhados pela ilha, ou ir a uma autêntica festa de Dancehall, são algumas das atrações propostas.

 

foto: Shutterstock

3. Family Time: o nome já diz tudo, é para curtir com a família. Além de praias mais tranquilas, passeios a cavalo por lindas paisagens e mergulho com golfinhos em pleno mar do Caribe. Hotéis com ótima infraestrutura e, é claro, toda hospitalidade do povo jamaicano!

 

foto: reprodução internet

4. A Mystic Land: um passeio por locais menos explorados e que fascinam os visitantes, como a Blue Lagoon, cenário do clássico “A Lagoa Azul”, e as Blue Mountains, onde é produzido um dos mais renomados cafés do mundo.

 

foto: Shutterstock

5. Relax Inna Paradise: se você está à procura de um paraíso para relaxar e viver momentos inesquecíveis a dois, esta é a opção para você. Clima perfeito, praias de beleza inigualável, hotéis e resorts que são um verdadeiro convite à paixão e atmosfera envolvente são alguns dos motivos que levam muitos casais de turistas à ilha. Cerimônias de casamento ou bodas, também são uma das especialidades dos resorts jamaicanos.

Para saber todos os detalhes sobre cada pacote, clique aqui. Escolha o seu preferido e boa viagem!

 

foto: Steele

Surf na Jamaica: clima favorável às “good vibes”

As melhores ondas da Jamaica estão ao sul da ilha  |  foto: reprodução internet

As melhores ondas da Jamaica estão ao sul da ilha | foto: reprodução internet

Surfar na Jamaica pode parecer uma ideia exótica, já que a ilha não é muito conhecida por esse esporte. Talvez por essa mesma razão, surfar por lá pode surpreender e revelar mais a respeito da cultura jamaicana.

O surf, na Jamaica, começou timidamente, nos anos 1950, com alguns turistas americanos, e ganhou mais adeptos já nos anos 1960, após a independência. Mesmo sendo uma ilha, não é possível surfar em qualquer parte. Ao norte, onde ficam a maioria dos resorts, o mar é flat, ou seja, sem ondas. Esse é o lado da ilha onde as ondulações são bloqueadas por outras ilhas, como Haiti, República Dominicana e Cuba.

O sul, próximo à capital, Kingston, é onde o surf acontece. O fundo do mar é de pedras, favorecendo a formação de ondas (em média, de 3 metros) durante o ano todo, sendo que as melhores estações para o esporte são o verão e o inverno.

O lendário Billy Mystic Wilmot em dois momentos: como músico e como surfista.  |  fotos: reprodução internet

O lendário Billy Mystic Wilmot em dois momentos: como músico e como surfista. | fotos: reprodução internet

Por ser um esporte totalmente ligado à natureza, o surf ganhou a simpatia dos rastafáris. Boa parte dos quase 200 surfistas jamaicanos são rastas. Um deles, além de surfista das antigas, é também o fundador da Associação de Surf da Jamaica e dono do Jamnesia Surf Club. Billy Mystic Wilmot surfa desde os anos 1970 e seus cinco filhos (incluindo uma mulher) seguiram o mesmo caminho. Billy também é músico e tem uma banda de reggae, a Mystic Revealers, que já gravou cinco CDs. Ao visitar a Jamnesia, de quebra, você pode curtir um ensaio.

O mapa da Jamnesia mostra os picos do surf ao leste da ilha  |  foto: reprodução internet

O mapa da Jamnesia mostra os picos do surf ao leste da ilha | foto: reprodução internet

O Jamnesia e a Associação funcionam no mesmo endereço. Lá, é possível ter aulas de surf (a filha de Billy, Imani, ensina crianças), bem como fazer pequenos reparos na prancha. É bom saber que, por enquanto, não há surf shops na ilha.

O grande barato de surfar na Jamaica, segundo brasileiros que tiveram essa experiência, é o astral do lugar. Ao contrário do Havaí, não há clima de competição o tempo todo. Os surfistas locais são hospitaleiros, gostam de assistir e também de acompanhar quem vem de fora. Outra vantagem é que não há crowd, ou seja, não há muitos surfistas pegando onda na mesma área.

foto: reprodução internet

Montego Bay, ou MoBay, para os íntimos

Assim como o Rio de Janeiro, para o Brasil, Montego Bay é considerada, para a Jamaica, a capital do turismo. Trata-se da segunda maior cidade da ilha, em área, e  a quarta, em população. Fica a noroeste da capital, Kingston, e possui o maior aeroporto internacional do país. Montego Bay também é conhecida por sediar o maior festival de reggae do mundo, o Reggae Sumfest.

Montego Bay situa-se entre Negril e Ocho Rios, a noroeste de Kingston | foto: reprodução internet

Montego Bay situa-se entre Negril e Ocho Rios, a noroeste de Kingston | foto: reprodução internet

Na época da colonização e ainda ao longo do século XX, Montego Bay foi basicamente uma cidade portuária, de onde escoava a grande produção de açúcar local. Muitos desses antigos latifúndios são, hoje, resorts. Há ainda as great houses, casas grandes das fazendas de açúcar, que foram preservadas e podem ser visitadas, como a Greenwood Great House e a Rose Hall Great House.

Além de história, Montego Bay tem inúmeras opções de lazer e diversão. Desde as mais óbvias, como praias, até campos de golfe. Música e vida noturna também não faltam por lá. Duas das praias mais famosas são Walter Fletcher e Doctor’s Cave Bay.

A Walter Fletcher fica bem próxima ao centro, tem águas calmas, areia fina e é ótima para nadar ou praticar snorkeling. Nesta praia, que por si só é excelente para passeios em família, há o Aquasol Theme Park, um parque aquático que tem também pista de kart e quadras de tênis.

Já a Doctor’s Cave Bay, conhecida no passado pelo grande poder de cura de suas águas, fica a cerca de 100 metros de um recife. Pode-se chegar lá de barco, mergulhar com snorkel e ver peixes-leões, tartarugas, arraias e peixes-palhaços.

O golfe, uma das heranças britânicas na Jamaica, pode ser praticado em campos espalhados pelos vários resorts, como no Tryall, Hilton Rose Hall e White Witch Rose Hall.

foto: reprodução internet

Glistening Waters Luminous Lagoon, a Lagoa Luminosa.  Clique aqui para ver a galeria de fotos completa.

O reggae, é claro, também tem vez em MoBay. O Reggae Sumfest acontece em meados de julho, desde 1993, e já trouxe artistas jamaicanos – como Damian e Stephen Marley, The Mighty Diamonds e Sean Paul – e internacionais – como 50 Cent, Baby Cham e Rihanna. Para os fãs de Bob Marley, há o Bob Marley Experience and Theatre, que fica no Half Moon Shopping Village. Lá, além de assistir a um documentário sobre a vida e a música de Bob, é possível comprar pequenas recordações ligadas a ele.

Por fim, uma benção da natureza. Em Montego Bay há um lugar chamado Glistening Waters Luminous Lagoon, a Lagoa Luminosa. Graças a um fenômeno natural, chamado bioluminescência, micróbios que habitam a lagoa absorvem energia e, quando a água é agitada, iluminam a lagoa de forma espetacular. Os passeios são feitos depois do pôr do sol, quando a visibilidade é melhor. Há mais alguns (poucos) lugares onde isso acontece, porém esta lagoa é a mais luminosa e o fenômeno pode ser observado em qualquer época do ano. Coisas da Jamaica…

foto: reprodução internet

Negril é para todos

Negril fica no lado oeste da Jamaica | foto: reprodução internet

Negril fica no lado oeste da Jamaica | foto: reprodução internet

Dê uma olhada no mapa da Jamaica. Bem no cantinho esquerdo da ilha está Negril. Fica a 240 km a oeste da capital, Kingston, e a 1 hora e 15 minutos do aeroporto internacional, localizado em Montego Bay. Até os anos 1950, o acesso por terra era difícil e a melhor maneira de se chegar até lá era através do rio ou do mar.

Não se sabe ao certo a origem do nome Negril. A primeira versão, diz que se trata de uma abreviação de negrillo, que em espanhol significa negrinhos e seria uma referência à cor dos penhascos, ao sul. A segunda, considera que o nome original seria Negro Eels, devido à grande quantidade de enguias (eels) que viviam na região, tendo sido alterado para Negrillo e, enfim, Negril.

Com a abertura da estrada, a pequena vila de pescadores começou a atrair turistas. Primeiro, foram os próprios jamaicanos. Em seguida, vieram os hippies e mochileiros estrangeiros, que se hospedavam nas casas de moradores locais ou acampavam nas praias. Era o início da maior vocação de Negril: o turismo.

Extensas praias com águas calmas, penhascos, noites agitadas. Negril tem tudo isso. Desde que foi inaugurado o primeiro resort, o Negril Beach Village (depois renomeado Hedonism II), em 1977, muitos outros vieram. Entre eles o Couples Swept Away, Sandals, Legends Resort e Riu Palace Tropical Bay.

Seven Mile Beach e Long Bay são as praias mais famosas e badaladas. Para quem gosta de uma praia mais tranquila, mesmo que sem grande infraestrutura, uma boa opção é Bloody Bay Beach. Se preferir parques, há o Kool Runnings Water Park, que tem atrações aquáticas e de aventura e o Royal Palm Reserve, um parque ecológico, onde se pode conhecer melhor a flora e a fauna locais.

Clique na foto para ver a galeria de Negril

Clique na foto para ver a galeria completa de Negril

Para os mergulhadores, Deep Plane, The Arches, Ballard’s Reef e Gallery são os lugares mais conhecidos, tanto por seus corais coloridos, quanto pela diversidade marinha. Já em West End Road, onde o mar encontra as falésias, há o Rick’s Café, um lugar incrível, onde os mais corajosos saltam de um penhasco a mais de 12 metros de altura.

Para finalizar, uma dica. Uma das mais belas atrações de Negril é de graça, acontece todos os dias e pode ser vista de vários lugares: o pôr do sol. Escolha uma bela praia, um penhasco ou mesmo a janela de seu hotel e desfrute desse momento ao mesmo tempo corriqueiro e especial.

 

Mergulho com tubarões: mais uma aventura incrível de Karina Oliani

Karina Oliani: na terra, na água ou no ar

Existem pessoas que vêm ao mundo apenas para ser mais um, para engrossar a massa. Por outro lado, há certas pessoas, poucas, é verdade, que parecem destinadas a experimentar de tudo um pouco. Assim é Karina Oliani.

Com apenas 32 anos de idade, além de médica e especialista em medicina de emergência e resgate em áreas remotas, Karina é amante de esportes radicais e já se aventurou por terra – escalada, motocross, rapel, hipismo, corridas, montanhismo e esqui – água – surf, esqui aquático, canoagem, stand-up paddle e mergulho – e ar – paraquedismo, asa-delta, bungee jump e pilotagem de avião.

Karina Oliani

Clique na foto para ver a galeria completa de Karina Oliani

Não poderia ser diferente, diante deste currículo, Karina atuar em diversas frentes. Além de ser a presidente da Medicina da Aventura, entidade médica que tem como principal objetivo divulgar e fortalecer este novo conceito médico no Brasil, ela também produz, dirige e apresenta seus programas, através de sua produtora, a Pitaya Filmes. Talvez você tenha assistido algum deles na Sportv, Multishow ou Off, ou mesmo na TV aberta, como quadros do Fantástico (Globo) ou do Esporte Fantástico (Record).

Karina visitou a Jamaica quando ainda era adolescente e lá praticou mergulho. E hoje, seria a Jamaica um destino interessante para esta atleta e aventureira? Vejamos: por terra, além de trilhas maravilhosas por toda a ilha é possível praticar tirolesa e bobsled em Ocho Rios. Se escolher a água, as praias de Montego Bay oferecem diversas opções para mergulho como The Widow Maker, recife de corais dentro do Parque Marinho Montego Bay, The Point, somente para mergulhadores experientes, e Basket Reef, nome dado devido a enormes esponjas em forma de cesta que se encontram aqui. Outra opção aquática é o Cliff Diving em Negril, mais especificamente a partir do Rick’s Cafe, cujo ponto mais alto passa de 12m de altura. Finalmente, para se aventurar pelos ares jamaicanos ela pode ir à Playa Grande, perto de Ocho Rios, e fazer um passeio de parapente.

Karina, você precisa voltar à Jamaica!