Posts

foto: divulgação

World a Reggae: Snoop Lion, o novo camaleão da música

Excelente observador – capaz de mover cada um dos olhos para um lugar, ao mesmo tempo – o camaleão é um réptil cuja principal característica é o mimetismo. Fora do campo da biologia, camaleão é aquele que adapta seu comportamento e características conforme o ambiente. No universo da música, dois exemplos clássicos são David Bowie, considerado o camaleão do rock e Madonna, sua versão feminina no quesito transformação.

Calvin Cordozar Broadus Jr. também pode ser incluído na mesma espécie. Ele já foi Snoop Doggy Dogg, Snoop Dogg e até Snoopzilla, além, é claro, da fase Snoop Lion. A mudança não foi apenas no nome, mas também no estilo musical, que passou a ser o reggae, gênero do qual tanto falamos por aqui.

Quando o então Snoop Doggy Dogg começou sua carreira, em 1992, era um rapper e participou do disco “The Cronic”, de Dr Dre, antes de lançar seu primeiro álbum no ano seguinte. “Doggystyle” foi um sucesso, liderando as paradas e vendendo milhares de discos. Suas letras, sempre recheadas de muita violência, encontravam eco em sua própria vida. Snoop chegou a ser preso várias vezes, sendo uma delas sob acusação de participar de um assassinato.

Snoop Doggy Dogg, Snoop Dogg , Snoop Lion, Snoopzilla: as várias faces do camaleão Calvin Cordozar Broadus Jr.  |  fotos: reprodução internet

Snoop Doggy Dogg, Snoop Dogg , Snoop Lion, Snoopzilla: as várias faces do camaleão Calvin Cordozar Broadus Jr.

Calvin personificava a imagem do gangsta rap, posava com armas, abusava das drogas e foi cafetão. Entre 1993 e 2011, lançou um total de 19 discos e atuou no cinema em filmes como “Baby Boy – O Dono da Rua”, “Dia de Treinamento” e “Confusões no Lava-Jato”.

Em 2012, Snoop viajou para a Jamaica, onde converteu-se ao movimento rastafári e, por sugestão de um religioso local, assumiu o nome Snoop Lion. Como reflexo dessa mudança, Snoop gravou o álbum “Reincarnated” – com produção do Major Lazer. A violência passou a ser combatida nas letras, assim como a luta entre gangues. Snoop Lion se dizia a reencarnação de ninguém menos do que Bob Marley.

Snoop Lion: autenticidade ou jogada de marketing?  |  foto: reprodução internet

Snoop Lion: autenticidade ou jogada de marketing?

Apesar de quase totalmente gravado na Jamaica e de contar com inúmeras participações especiais nas diversas faixas, em nenhuma delas há um representante rastafári jamaicano. Talvez  isso tenha irritado Bunny Wailer, que acusou Snoop de “uso fraudulento de personalidades e símbolos rastafáris”. Praticamente uma excomunhão, via Facebook.

De qualquer forma, “Reincarnated” acabou resultando num disco pop agradável, com referências de roots reggae e dancehall. Foi indicado para o Grammy de melhor disco de reggae, mas perdeu para “Revelation Part 1: The Root of Life”, de Stephen Marley.

Uma das melhores faixas, coincidentemente, é Lighters Up, que conta com as participações jamaicanas da banda Tivoli Gardens Drum Corp e dos artistas de dancehall Mavado e Popcann. Já em Ashtrays and Heartbreaks, um pop reggae, quem participa é outra candidata a mutante da música, Miley Cyrus.

Além do álbum, a viagem gerou também um documentário e um livro de fotos, ambos registrando a experiência e a transformação. Na sequência, Snoop criou o pseudônimo Snoopzilla para um novo projeto, e não se sabe se Snoop Lion encerrou totalmente as atividades ou se ainda pode voltar a gravar. Tudo depende de como Calvin enxergar o futuro.

Ouça abaixo o álbum “Reincarnated”, de Snoop Lion:

foto: reprodução internet

Vamos celebrar o reggae!

O primeiro ministro Michael Manley recebe Nelson Mandela e Winnie na Jamaica | foto: reprodução internet

O primeiro ministro Michael Manley recebe Nelson Mandela e Winnie na Jamaica

O reggae nasceu na Jamaica, no final dos anos 1960 e influenciou a música mundial. Porém, a consciência a respeito da força e da real importância desse ritmo é algo relativamente recente na ilha. Cada vez mais, os jamaicanos têm se orgulhado de sua cultura e de como ela é admirada mundo afora. Por conta disso, surgiram eventos que enaltecem o ritmo que ajudou a tornar a Jamaica conhecida internacionalmente.

Um deles, o International Reggae Day (IRD), acontece desde 1994 e tem uma história interessante. Em 1991, Nelson Mandela e sua mulher à época, Winnie, visitaram a Jamaica. Mandela havia saído da prisão no ano anterior e ambos foram calorosamente recebidos. Num discurso feito durante a visita, Winnie  disse que o reggae havia sido uma fonte de inspiração para o povo sul-africano, em sua luta contra o apartheid.

Ao ouvir essas palavras, Andrea Davis, uma administradora musical jamaicana, teve a ideia de criar um evento que celebrasse a importância do reggae na Jamaica e em todo o mundo. Assim, em 1 de julho de 1994 o IRD foi lançado e, a partir de 2000 – quando foi proclamado pelo Governador Geral – tornou-se um evento anual. Acontece sempre em 1 de julho, em Kingston, e são 24 horas de reggae em shows, exposições e workshops, com transmissão pela TV, rádio e internet.

Beenie Man, Mya & Deejay Spice, Vybz Kartel & Gaza Slim, Mavado e Chronixx são artistas que já se apresentaram no Reggae Sumfest.  |  fotos: reprodução internet

Beenie Man, Mya & Deejay Spice, Vybz Kartel & Gaza Slim, Mavado e Chronixx são artistas que já se apresentaram no Reggae Sumfest.

O Reggae Sumfest é o maior festival de música da Jamaica e acontece desde 1993, em Montego Bay, sempre na terceira semana de julho. Além de reggae, o festival também tem dancehall, R&B e hip hop, chegando a atrair mais de 30.000 pessoas.

Com o lema “Promoting Music, the Universal Force”, o Sumfest começa com uma grande festa na praia, animada por DJs e, nos dias seguintes, traz atrações como Shaggy, Sean Paul, Rihanna e Lionel Richie. Em 2014, Chronixx, Tessanne Chin e Freddie McGregor foram apenas alguns dos artistas a se apresentarem. A organização do festival ainda não divulgou a programação para este ano, mas as datas estão confirmadas: de 12 a 18 de julho.

No ano de 2015, Bob Marley completaria 70 anos e uma série de eventos foram programados dentro e fora da Jamaica para celebrar a data. No dia 6 de fevereiro, data do nascimento de Bob, no Museu Bob Marley, em Kingston – o mesmo visitado recentemente pelo presidente americano Barack Obama (leia Barack Obama na Jamaica: Yes, they can!) – houve jam sessions e performances dos chamados “Marley 70 ambassadors”, Chronixx, Kabaka Pyramid e No-Maddz, além de simpósios sobre reggae. Já no dia seguinte, a Bob Marley Foundation promoveu um show gratuito na orla de Kingston.

Batizado de Redemption Live, o show trouxe, além dos filhos de Marley, Tarrus Riley, Cocoa Tea, Freddie McGregor, Marcia Griffiths (uma das I Three, trio de backing vocals que acompanhava Bob Marley), I-Octane, Capleton, Judy Mowatt (também das I Three), Jermaine Edwards entre outros (assista ao trecho do show abaixo).

Estados Unidos, Inglaterra, Itália, Canadá e Romênia são exemplos de países onde houve eventos para comemorar o nascimento do grande astro do reggae. Parece incrível que, mais de 30 anos após sua morte, Bob Marley continue a ter uma enorme legião de fãs. Em plena era digital, é a celebridade póstuma com o segundo maior número de seguidores (mais de 73 milhões) no Facebook. Perde apenas para Michael Jackson, morto há menos de 6 anos.

Assista ao clipe israelense em homenagem aos 70 anos de Bob Marley: