foto: reprodução internet

Mistérios do Twerk

Lambada, zumba, stiletto. Com certeza, você já ouviu falar delas. De tempos em tempos, surge uma nova dança, um novo ritmo, que se espalha pelo mundo e se torna uma verdadeira mania. Com o twerk também foi assim.

A palavra twerk vem de twist (a dança) + jerk (que pode ser um puxão ou comida jamaicana) ou de trick (truque) + work (trabalho) ? E da onde vem esta dança, da Jamaica ou de New Orleans? Há controvérsia…

A americana Millus Cyrus popularizou o twerk com o clip We Can't Stop

A americana Milley Cyrus popularizou o twerk com o clip We Can’t Stop  |  foto: divulgação

Melhor, então, é tentar entender um pouco mais sobre esta dança que se popularizou, em 2013, com o clip We Can’t Stop, da cantora Milley Cyrus.

Na Jamaica, a dança está ligada a um estilo musical chamado dancehall, que surgiu nos anos 1970 e é uma espécie de mistura entre o reggae e o hip hop. É uma dança extremamente sensual, onde o foco está nos movimentos do quadril e em agachamentos. Dá para imaginar o esforço físico requerido: em uma aula de 50 minutos são gastas, em média, 500 calorias.

Para confundir você mais um pouco, o que tem a Rússia a ver com o twerk? Não se sabe bem porque – afinal trata-se de um país com uma cultura muito particular, de onde surgiram grandes nomes do balé clássico – mas o twerk caiu nas graças das mulheres e tornou-se uma febre, inclusive com competições entre clubes. Ao que parece, pelo estilo da música, o twerk que se dança por lá é o autêntico jamaicano, apesar de todas as diferenças geográficas e culturais.

A dança tem andado tão em alta que o verbete twerk acabou, em 2013, entrando para o tradicional dicionário britânico Oxford. Agora não há mais dúvida: o twerk veio para ficar!