O grupo No-Maddz | foto: reprodução Internet

Great times are coming. Ou: Big Things A Gwaan!

A menção ao famoso slogan publicitário de uma certa marca de cerveja guarda forte semelhança com um termo comumente usado na Jamaica, ambos com a mesma intenção e significado: anunciar um evento excepcional, algo de proporções significativas e que promete causar impacto.

Chronixx é considerado uma das maiores revelações do reggae jamaicano na atualidade | Foto: reprodução Internet

Chronixx é considerado uma das maiores revelações do reggae jamaicano na atualidade

Não sabemos se a tal marca de cerveja entrega ou entregará o que promete, mas temos razões de sobra para acreditar que a Jamaica vai entregar o que vem prometendo nos últimos anos. Já ensinamos aqui que devemos esquecer o termo “terceiro mundo” quando falamos de música jamaicana, já que há motivos de sobra para entender que a ilha deve ser reconhecida como uma das grandes potências mundiais nesta área (leia Música jamaicana: muito além de Bob Marley).

Se é verdade que o reggae viveu sua “golden era” nos anos 70 e 80, também é verdade que o gênero teve o seu merecido “revival” nos anos 90, quando novos artistas surgiram e antigos nomes retornaram à cena. No Brasil, o fenômeno teve papel decisivo e contribuiu para o surgimento de inúmeras bandas, que por sua vez contribuíram não apenas para a formação e renovação do público, mas sobretudo para a consolidação do gênero no país.

Protoje: legítimo representante da nova escola do reggae jamaicano | foto: reprodução Internet

Protoje: legítimo representante da nova escola do reggae jamaicano

Duas décadas depois, um movimento muito parecido àquele já dá sinais de força suficiente para que artistas e produtores jamaicanos afirmem que vem aí um segundo “reggae revival”. É bom deixar claro que a música jamaicana nunca saiu de cena. Basta lembrar dos midiáticos Shabba Ranks, Shaggy, Sean Paul e outros representantes do dancehall, que ganharam lá os seus Grammys, emplacaram seus hits nas rádios pelo mundo e venderam muito disco nas últimas duas décadas.

Mas aqui nos referimos ao reggae mais clássico, aquele que remete mais à fundação do reggae jamaicano, nas letras engajadas e no ritmo hipnotizante que (desculpem) eles sabem fazer como ninguém. O “reggae roots”, como gostamos de dizer por aqui. Que também nunca saiu de cena, mas que viu seu protagonismo na indústria musical jamaicana perder espaço para a nova onda do dancehall, com seus sintetizadores e sua temática em grande parte voltada à violência e sexualidade. Qualquer semelhança com o mundo (e o Brasil) não é mera coincidência.

Curioso notar como o período que compreende as últimas duas décadas coincide com as profundas mudanças por que passou a indústria da música em escala global. O surgimento da Internet, o avanço da pirataria, as disputas jurídicas entre os grandes conglomerados da indústria musical contra gênios prodígios, capazes de criar sistemas e algoritmos que revolucionaram a maneira como acessamos e consumimos informação, inclusive e principalmente música.

Na “era da informação”, foi a vez das grandes gravadoras verem o seu protagonismo e poder de influência cederem espaço às novas e surpreendentes plataformas de distribuição de conteúdo, através das quais artistas poderiam encurtar as distâncias e intensificar o diálogo com seu público. Uma mudança de rumo sem precedentes, que abriu espaço para toda uma geração de novos e talentosos artistas mundo afora – que sabem muito bem usar a Internet a seu favor, obrigado.

Não seria diferente na Jamaica. Chronixx, Protoje, Jah Cure, No-Maddz, Jah-9, Tarrus Riley, Etana, Iba Mahr, Jesse Royal… são muitos os nomes que despontam como os legítimos novos representantes da escola jamaicana de fazer reggae. Não é mais do mesmo. É o “new roots”. Ou “conscious music”, como eles gostam de dizer por lá.

Ouça a playlist acima e assista às playlists exclusivas que montamos em nosso canal no Youtube (abaixo) para conhecer os jovens jamaicanos que estão fazendo a cabeça do público mundo afora. Desta vez, não tem mais volta: a Internet está aí a nosso favor.

Assista à playlist “New Reggae – part 2”, de Jamaica Experience: